screenshot webinar SEAE

O Instituto Diplomático organizou no dia 16 de setembro o webinar "Diplomatas Portugueses no Serviço Europeu de Ação Externa", onde a Secretária de Estado dos Assuntos Europeus, a Embaixadora Ana Paula Zacarias, e o Conselheiro de Embaixada Salvador Pinto da França partilharam as suas experiências no corpo diplomático da UE.

A Embaixadora Ana Paula Zacarias, que foi Chefe de Missão da Delegação da UE em Brasília entre 2011 e 2014 e que, nesse ano e até 2016, exerceu as mesmas funções em Bogotá, realçou a necessidade que os diplomatas do Serviço Europeu de Ação Externa (SEAE) têm de trabalhar em coordenação não só entre eles mas também com as embaixadas dos Estados-Membros nos países-terceiros.

"Existe uma grande necessidade de trabalhar cada dia no terreno com os nossos colegas dos Estados-Membros", disse. "Só assim temos o poder de fazer bem, o poder de estar com todos e o poder de outros se sentirem empoderados por estarem connosco."

A Embaixadora Ana Paula Zacarias referiu ainda que, sendo um desafio, a necessidade de juntar esforços entre os países da UE é também obrigatório para lidar com outros países: "Quando é feita uma coordenação com países amigos que têm de ter na UE um interlocutor – como os EUA, a China ou a Rússia – é preciso que se perceba do outro lado que estamos ali a uma voz".

O Conselheiro de Embaixada Salvador Pinto da França, que desde 2018 é Chefe da Secção Política, de Imprensa e Informação da Delegação da UE no Mali, deu a conhecer a dinâmica do seu trabalho naquele país do Sahel. De acordo com este diplomata, trabalham 49 diplomatas e técnicos superiores sob a bandeira da UE: 9 na Secção Política, de Imprensa e Informação; e os restantes 40 na secção de Desenvolvimento. "Usa-se muito tempo na coordenação", disse Salvador Pinto da França. Nesse trabalho, defendeu igualmente a necessidade de articulação entre as embaixadas dos Estados-Membros com sede em Bamako: "Ajuda a influenciar".

Os dois oradores partilharam ainda algumas recomendações para ter sucesso no processo de seleção para o SEAE.

Numa fase inicial do concurso, disseram que a carta de motivação deve ser curta (não mais do que uma página) e que deve procurar responder a cada requisito referido no anúncio da vaga. Na fase final, em que é feita uma entrevista profissional, foi feita a recomendação de criar empatia com o júri, o que passará pelo estudo do currículo dos seus membros. Durante a entrevista, que consiste por norma em cerca de cinco perguntas, os candidatos são chamados a reagir a cenários práticos tanto de cariz político e diplomático como de gestão de equipas.

O webinar "Diplomatas Portugueses no Serviço Europeu de Ação Externa", que foi transmitido em exclusivo para funcionários do Ministério dos Negócios Estrangeiros, contou com mais de 60 participantes e teve a duração de 1 hora e 30 minutos.

  • Partilhe